Opções

Ache fácil

AGENDA DE PARALISAÇÃO: Caminhada até a Estação da Lapa movimenta população para a luta da categoria!

Trabalhadores unidos na luta por valorização da categoria e por uma Educação de qualidade! No último dia da paralisação de 48 horas, nesta quinta, 3 de agosto, a APLB-Sindicato liderou a caminhada dos trabalhadores em Educação do município de Salvador da Praça da Piedade até a Estação da Lapa, passando pelos Barris, para alertar a população sobre o descaso do Executivo Municipal em relação à Educação na capital baiana.

A categoria se mostrou ainda mais forte e compareceu em peso à manifestação, após recusar a proposta vergonhosa de reajuste zero e aprovar a paralisação em assembleia realizada na terça-feira, 1º. “É muito importante o trabalhador participar da reivindicação dos seus direitos. Não estamos pedindo nada, e sim exigindo que o prefeito ACM Neto cumpra a lei”, ressalta a professora Ana Jaqueline Gomes, da Escola Municipal Professora Maria José de Paula Moreira. A caminhada contou ainda com uma parada estratégica em frente à Gerência Regional de Educação (GRE) Centro, para protestar contra a gestão autoritária do prefeito ACM Neto.

Veja um trecho da caminhada:

Centenas de trabalhadores utilizaram apitos, faixas, cartazes e adesivos com o objetivo de chamar a atenção de pedestres e motoristas para a luta da categoria. Além disto, eles também protestaram contra o retrocesso que se instalou no país com o presidente ilegítimo Temer, o primeiro da história a ser denunciado por corrupção e que, em mais uma manobra política, teve seu processo arquivado após votação na Câmara nesta quarta-feira, 2.

Professores, coordenadores pedagógicos, funcionários, pais e alunos caminharam juntos pela melhoria da Educação em Salvador e entregaram cartas à comunidade sobre a situação das escolas e dos profissionais que, muitas vezes, são obrigados a comprar material didático e de apoio com seu próprio dinheiro para dar aula. Além disto, os estudantes sofrem com falta de fardamento, alimentação, água potável, gás, mobiliário e professores, além da infraestrutura precária das unidades, entre outros problemas.

Mãe de estudantes fala sobre realidade das escolas (Foto: Getúlio Lefundes | APLB-Sindicato)

“Eu tenho quatro filhos e, infelizmente, há quatro anos, não vejo uma farda escolar nova nem material didático. Eu sou a realidade do que os professores estão falando: os nossos filhos saem de casa para ir à escola mas, por estarem sem farda, não são identificados para onde vão nem de onde vieram. É um risco muito grande”, enfatiza a vendedora Ana dos Santos Oliveira, mostrando a sua indignação frente à realidade das escolas.

Durante a caminhada, os trabalhadores pararam em frente à Gerência Regional de Educação (GRE) – Centro para, em seguida, retomarem a caminhada rumo à Lapa.

A APLB-Sindicato conclama a categoria para continuar na luta, lutando pela concessão dos nossos direitos estabelecidos no Plano de Carreira, além do reajuste salarial que é negado há dois anos pelo Executivo Municipal.

Fotos: Getúlio Lefundes | APLB-Sindicato

Confira a Carta Aberta à População:

VAMOS À LUTA!

NENHUM DIREITO A MENOS!

FORA TEMER E SEUS ALIADOS!

Top