Opções

Ache fácil

APLB-Sindicato e lideranças políticas homenageiam professores(as) com sessão especial na ALBA

 

Nesta sexta-feira (11) a Assembleia Legislativa da Bahia (ALBA) promoveu uma Sessão Especial em Homenagem ao Dia do Professor. O evento foi proposto e organizado pela APLB-Sindicato e a deputada estadual Fabíola Mansur (PSB). Entre as lideranças políticas presentes estavam o secretário estadual de Educação, Jerônimo Rodrigues, o vereador Silvio Humberto (PSB), a deputada Alice Portugal (PCdoB) e a senadora Lídice da Mata (PSB).

Durante discurso, o coordenador-geral da APLB, Rui Oliveira, citou avanços obtidos na área da Educação pública baiana, nos últimos 20 anos, onde o estado conquistou 6 universidades federais, 4 estaduais e, nas áreas básicas, teve o número de matrículas, creches e escolas técnicas ampliado. O dirigente também chamou a atenção para os ataques promovidos pelo governo Bolsonaro à área de ensino.

“Tudo o que conquistamos está seriamente ameaçado. Vivemos um momento de obscurantismo, sob o domínio da ultradireita, uma época de trevas, de desmonte do Estado”, disse.

De acordo Rui, tudo começou após o golpe contra a presidenta Dilma, onde Michel Temer assumiu e aprovou leis que prejudicaram e retiraram direitos da classe trabalhadora, a exemplo da Emenda Constitucional 95, a lei da terceirização irrestrita, as reformas, trabalhista e do ensino médio e, atualmente, a iminente aprovação da reforma da Previdência e os cortes de verbas para a Educação, promovidos pelo governo Bolsonaro. O dirigente ainda criticou a Portaria 770/19, em que o governo da Bahia autoriza organizações sociais, as chamadas OSs, a administrarem escolas estaduais em alguns municípios baianos.

“Apesar do avanço obtido com a nossa luta em alterar algumas medidas da Portaria, a posição da APLB continua pela sua revogação, pois  a mesma compromete o acesso da população a uma Educação gratuita e de qualidade, oferecida pelo estado, além de promover a desvalorização dos nossos professores”, declarou. Rui encerrou dizendo que a entidade seguirá mobilizada em defesa da Educação e dos trabalhadores da área.

Por sua vez, o secretário cumprimentou a APLB pela luta constante em defesa dos educadores e da Educação, classificando a entidade como persistente, capaz e responsável pelas conquistas obtidas pelo setor ao longos dos anos.

Entre as alterações feitas (após pressão da APLB) ao texto da Portaria, Jerônimo destacou que a administração pedagógica das escolas não seria atingida pelas gestões das organizações.

“Qualquer ideia que trate do pedagógico se ausentará da proposta.  Vamos também excluir do documento  a cláusula que permitias às OSs capitar recursos. Temos a possibilidade de implantar o projeto de forma experimental, a princípio. Nesse processo, a ideia é que seja criada uma comissão, um grupo de trabalho, para acompanhar e fiscalizar as ações”, garantiu Rodrigues.

Top